Esses canalhas querem nos matar!

Esses pulhas querem nos matar!

Esses canalhas, esses cruéis, esses patifes, querem nos matar!

E não é de hoje. É desde sempre! Desde há muito tempo eles querem nos eliminar!

Esses covardes, detentores do poder metálico e de armas de destruição em massa… eles querem nos matar.

Querem matar qualquer fagulha da felicidade do povo.

Do povo livre e com trabalho.

Do povo livre e com comida na mesa.

Qualquer fagulha da dignidade das mães e pais e das crianças populares, indígenas e negras.

Esses canalhas, banqueiros, investidores da bolsa de valores, querem nos matar! Milionários da improdutividade!

Esses pulhas, esses pastores milionários, detentores de impérios midiáticos, fábricas de dízimos, que tiram o pouco que o pobre já não tem em sua mesa… Eles querem nos prostar! Querem nos consumir, querem nos foder!

Esses jornalistas, apresentadores, detentores dos meios de comunicação hegemônicos, seja a televisão ou a internet; esses que espetacularizam a moeção de carne pobre, indígena e preta, de mulheres e pessoas LGBTQIA+… Esses ordinários, eles querem nos moer! Eles querem nos colocar na máquina como combustível da farsa!

Esses latifundiários, donos da terra que nem a deus pertence, senhores do agronegócio que destrói as florestas e envenena os povos; que tomaram os bosques dos povos originários, dos quilombolas, dos sitiantes, dos ribeirinhos, dos pequenos e pequenas produtores, dos camponeses e camponesas… esses escrotos! Eles querem nos enterrar sob palmos rasos de terra empobrecida e envenenada.

Eles querem nos esfolar!

Esses homens ricos e nojentos. Esses homens obesos, brancos, jactanciosos, sebosos… prostituidores de meninas pobres em todos os recantos do mundo. Esses que acreditam que são o exemplo do “bom pai”, do “bom marido” e do proprietário; o exemplo de “cidadão de bem”, “bem sucedidos”, “empreendedores”, “geradores de empregos”, cultuadores da propriedade privada, adoradores do Deus McMercado… Esses que bajulam o Deus (sic) vingativo e castrador; que lutam para sublimar suas carências e suas taras reprimidas… Esses sujeitos que contam as pilhas do vil metal; que não sabem se rezam para deus ou para Bolsa de Valores; que não sabem se constroem um tempo ou uma empresa de fachada no Panamá; que contam tanto metal, mas tanto metal, que não seriam capazes de gastá-lo durante uma vida humana…

Esses canalhas, esses pulhas, eles querem nos esfolar!

Eles querem nos moer.

Eles querem nos trucidar!

Eles querem nos deitar ao chão, nos submeter! Mas não vão conseguir!

E não é de hoje que eles querem fazer isso conosco. Eles pessoalmente fariam isso. Se não houvesse os pulhas dos pulhas, os sujeitos abjetos que fazem o serviço sujo, que são o chorume, ou são os filhotes da última ditadura do mundo subdesenvolvido.

Eles mesmos fariam, com suas próprias mãos, se não houvesse esses generais borra-botas, esses “patriotas” que aprenderam o conceito de pátria na “Escola das Américas”, em Fort Benning e em Fort Leavenworth. Esses generais ignorantes, que se orgulham das violências que praticaram no Paraguai, no Haiti e contra seu próprio povo, inúmeras vezes, tendo 1964 e 1968 apenas como exemplos de toda uma longa história de barbárie.

Esses generais obscuros, de turvo pensar, rotos, brutalizados, bestializados, obtusos e néscios; que basicamente vivem como parasitas da coisa pública, ganhando milhares de dinheiros, fruto do trabalho da maior parte do povo.  Cúpula da choldra que alimenta sua masculinidade precária nas rodas de “oficiais” decadentes e inúteis, pagos por nossos impostos,  de carne carcomida e feios; mais os suboficiais aspirantes dessa decadência, que mandam pobres soldados, tão pobres de tão índios, de tanto negros, de tão desesperançados e sem opções, capinarem o quintal dos quarteis e pintarem as calçadas de cal!

Escravocratas! Demagogos vis! Choldra!  

Eles querem nos matar!

Eles quererem matar seus soldados, na morte dos seus iguais!

Mas não vão conseguir!

Pois não é de hoje que querem nos matar, e nos mataram e matam muitos de nós, mas sobrevivemos!

1964 inaugurou uma ditadura autoritária, raivosa e assassina que perseguiu a todos e todas que se opunham. Matou e torturou crianças, jovens e adultos, cortou direitos e enriqueceu mais ainda os poderosos, apoiados que estavam nos seus cães de guardas fardados!

Esses pulhas querem nos matar! E uma forma de nos matar também é reescrever a história de forma mentirosa, como farsa.

Bolsorano, os setores do Partido Militar que ainda o apoiam, a elite econômica predadora, são todos filhos e país da última ditadura, e vivem muito bem em qualquer ditadura que mantenha seus lucros!

Contra isso só a organização popular, a reflexão crítica sobre o passado, sobre o presente e a perspectiva de futuro igualitária para todos.

Precisamos “estar atentos e fortes” e não aceitaremos a reescrita da história como falácia: golpe é golpe, violência é violência, tortura é tortura.

Não permitiremos mais nenhum tipo de morte!

Fora Bolsonaro genocida e golpista e todos os seus apoiadores militares e milicianos tão golpistas quanto ele!

#DitaduraNuncaMais

#ForaBolsonaro

2 respostas para “Esses canalhas querem nos matar!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *